Porto de Mós

Porto de Mós, o barro e as gentes

O povoamento da região de Porto de Mós remonta à Pré-história Antiga e, na Antiguidade, romanos marcaram forte presença, documentada por monumentos funerários e ocupações denunciadas por vestígios de cerâmica de construção (tegula e imbrex).

É na Idade Média que se encontram as origens da atual vila. Conseguida para mãos cristãs, provavelmente em 1147, por D. Afonso Henriques, foi-lhe atribuída Carta de Foral em 1305, por D. Dinis, confirmada por D. Manuel I em 1515. A 14 de agosto de 1385, aqui teve lugar a mais emblemática batalha portuguesa, Aljubarrota, no Planalto de S. Jorge.

O nome da vila denuncia a sua implantação num relevante local de passagem e o valor da indústria moageira e da exploração de pedra para fazer mós. Ainda hoje, os moinhos de vento são uma marca territorial e memória de um tempo ido.

Desde que a cerâmica entrou no quotidiano das gentes, a exploração de jazidas alimentou ofícios e indústrias de cerâmica para construção e doméstica, de uso corrente e decorativa. Em Época Contemporânea, esta diversificada indústria centrou-se na parte noroeste do concelho, no eixo de Juncal/Cruz da Légua/S. Jorge.

Ao longo do século XX, a atividade das olarias foi intensa. Cerâmica utilitária de “Barro Vermelho” e cerâmica comum com fins culinários foram profusamente produzidas. Cerâmica decorativa pintada à mão, com tons de barro, azuis, brancos, com motivos geométricos, vegetalistas estilizados, marcou presença em tipologias diversificadas.

A cerâmica de construção também tem contado com produções decorativas, de azulejaria. Cabe aqui referir a Real Fábrica do Juncal, fundada em 1770 e que, durante mais de um século, produziu azulejo, louça utilitária e decorativa. A cerâmica de construção justificou o surgimento de grandes unidades industriais, hoje em convívio próximo com unidades obsoletas, mas onde se adivinham histórias do labor fabril de uma comunidade rural.

Em olarias e fábricas, moldou-se o barro e o ritmo das gentes.

Jorge Vala

Jorge Vala

Presidente da Câmara Municipal de Porto de Mós

Mensagem do Presidente da Câmara Municipal de Porto de Mós

Em Porto de Mós, da exploração à comercialização, passando pela transformação da matéria-prima, a cerâmica ocupa um lugar de destaque. É um sector de elevado potencial económico e cultural e sustentáculo da economia da comunidade, desde há várias gerações.
Hoje, aprimoram-se produções, dando-lhe um cunho artístico individualizador, ao mesmo tempo que, no domínio da cerâmica de construção, empresas altamente qualificadas contribuem para a inovação, lançando novos produtos, mais eficientes e ao nível das maiores exigências do mercado mundial.
Por tudo isto, faz sentido Porto de Mós participar nesta dinâmica em rede, em torno daqueles que do barro fazem o seu pão e a sua identidade.

 

O Presidente da Câmara Municipal de Porto de Mós

Jorge Vala